Você está aqui: Página Inicial > Editorias > Útil para você > ReclameAQUI permite reclamações para serviços públicos

Notícias

ReclameAQUI permite reclamações para serviços públicos

"O objetivo é dar voz ao cidadão em um canal conhecido da população e que permite que ele avalie o atendimento dado pelos entes públicos"

Por Kécia Pereira

ReclameAQUI -Hélio Basso.jpg
Hélio Basso

Em 2001, Mauricio Vargas, presidente do ReclameAQUI, teve um problema com uma companhia aérea, o que resultou na perda de uma oportunidade de negócio. Vargas entrou em contato com a empresa para reclamar, mas na época não havia tanto cuidado com o pós-venda como ocorre atualmente. Então, o presidente desenvolveu o sítio eletrônico ReclameAQUI, uma empresa que atua como canal de comunicação entre consumidores e empresas de todo o país, com o tema “o canal oficial do consumidor brasileiro na internet”. 

Antes, o papel da plataforma de receber reclamações e fazer o elo com o outro lado ficava restrito a empresas regidas pelo Código de Defesa do Consumidor. Há 2 anos, surgiu a opção de reclamar dos serviços públicos, com foco nas cidades. O cidadão escolhe a cidade e coloca as queixas sobre educação, saúde e outros temas, relata o sócio-consultor do ReclameAQUI Hélio Basso. 

Este ano, o grupo decidiu desenvolver uma área direcionada a atender às reclamações dos serviços públicos em âmbito nacional. “Em 2015, reformulamos o conceito, direcionamos a plataforma para os serviços públicos, e englobamos o Poder Executivo, Legislativo e Judiciário”, disse Basso. “O objetivo é dar voz ao cidadão em um canal conhecido da população e que permite que ele avalie o atendimento dado pelos entes públicos”. 

Segundo Basso, o ReclameAQUI Serviços Públicos apresenta dinâmica diferente, já que o cidadão não compra um produto ou serviço público. “Temos conversado com prefeituras, governos, tribunais no sentido de explicar que plataforma atuará conforme o que chamamos ‘regras de negócio’ de cada ente”, contou. Os serviços de mediação entre empresas e consumidores, na ideia primordial do projeto, agora serão adaptados para a relação cidadãos — entes públicos.